Nunca será tarde enquanto houver amor

Hoje resolvi escrever um post sobre fotografia, a minha área preferida, rsrsrs. Quando ouço a palavra fotografia, o som bate lá na alma e volta e trás uma imensidão de emoções. Recentemente me deparei com uma imagem que me fez refletir, um ensaio realizado pela fotografa Camila Lima de lá de Vitória – Espírito Santo. As fotos são de um casal que está completando 60 anos de casados. Gente, vocês sabem o que é 60 anos de casamento? Pois é, não é nem metade do que já vivi. Em comemoração as bodas de diamantes um lindo ensaio para contar a história desse casal foi realizado em Matilde, município de Alfredo Chaves. O local escolhido tem importante significado por que foi ali onde tudo começou. Faustino Bergamin, de 82 anos, e Penha Bergamin, de 80, são descendentes de imigrantes italianos, o casal Bergamin nasceram, cresceram, se casaram e tiveram filhos em Matilde.  Há mais de 40 anos eles se mudaram para a capital do Espírito Santo, mas para a concretização do ensaio decidiram que retornariam aquele lugar porque foi em Matilde que tudo começou. Estar na cidade é relembrar as memórias da união quando eles disseram ” sim” no dia 18 de maio de 1957.

“Nos conhecemos desde crianças. Quando ainda pequenos, íamos para a escola juntos. E assim a nossa ligação foi ficando cada vez mais forte. Para melhorar, nós morávamos próximos. Lembro que quando jovens, gostávamos de ir a bailes juntos”, relembra Faustino.

 

 

As fotos todas foram realizadas em locais de importante significado para os dois conta o casal.

A fotógrafa Camila Lima conta que o casal quando jovem nunca fizeram um ensaio desse jeito devido a época e questões financeiras. “Por isso a idéia de fotografar no local onde tudo começou. Fotografamos até na igreja onde ele ajudou a construir e onde eles se casaram. O ensaio foi super divertido. Eles são bem dispostos, atenciosos um com o outro, carinhosos e, de longe, dá pra ver o segredo dos 60 anos”.

 

Ainda muito animada, Camila diz que o casal aproveitou a oportunidade para dar uns beijinhos, “Ele ficou todo animado! Disse que tinha tempo que ela não beijava ele [risos].

Fiquei encantada com o trabalho dessa fotografa e mais ainda com a história desse casal.

Isso nos leva a meditar e se perguntar por que os casamento não duram da mesma forma que antigamente. As pessoas querem fórmulas mágicas se baseando em casais de sucesso, não sabendo que a fórmula para cada casal seria diferente, cada cabeça é um mundo e juntar esses dois mundos é difícil. A partir do momento que o casal entender que tudo só será resolvido apenas entre eles dois, e que não há formula e que o segredo está neles mesmo, tudo fará mais sentido. Entender, escutar, não impor, tudo isso é complicado, o anseio que seja feita nossa vontade normalmente se torna um bem maior na nossa cabeça, mas quando nos casamos por amor e esse amor é verdadeiro, nós cedemos, mas por que cedemos? Magoar quem nós amamos é nos magoar, o amor nos uni a um ponto de realmente nos tornamos apenas um e as vezes a dor de ceder é bem menor do que a dor de magoa quem nós amamos.

Fotografia: Camila Lima